Os esteróides anabólico-androgênicos (AAS, na sigla em inglês) são substâncias sintéticas variantes da testosterona, hormônio sexual masculino que ocorre naturalmente. O termo “anabólico” se refere ao crescimento muscular que essas substâncias promovem, enquanto que “andrógino” refere-se ao aumento das características sexuais masculinas. A palavra “esteróides” refere-se à classe de droga. Este tipo de droga é obtido legalmente através de prescrição médica para tratar determinadas doenças que ocorrem quando o corpo produz uma quantidade baixa de testosterona, como quando há um atraso na puberdade. Também se receitam como tratamento de doenças que resultam na perda da massa muscular magra, como o câncer e a AIDS.

Como se abusam dos esteróides anabólico-androgênicos?

Algumas pessoas, tanto atletas como não atletas, abusam de esteróides anabólico-androgênicos, em uma tentativa de melhorar o seu desempenho ou sua aparência física. Os esteróides anabólico-androgênicos são consumidas por via oral ou injetadas, geralmente em ciclos, em vez de ser usado continuamente. O uso cíclico (ou “cycling”) refere-se a um padrão de consumo em que se tomam esteróides por um período de semanas ou meses, seguidos por um período de descanso em que se deixa de tomar a droga, para novamente voltar a consumi-la depois. Além disso, os usuários frequentemente combinam vários tipos de esteróides para tentar maximizar a sua eficiência, uma prática conhecida como “empilhamento” (ou “empilhamento”).

Como afetam os esteróides anabólico-androgênicos o cérebro?

Os efeitos imediatos de esteróides anabólico-androgênicos no cérebro estão mediados pela sua ligação a receptores androgênicos (hormônio sexual masculino) e estrogênicos (hormônio sexual feminino) na superfície de uma célula. Uma vez efectuada esta união, este complexo receptor anabólico-estrogênico pode entrar para o núcleo celular e influenciar os padrões de expressão genética. Devido a isso, os efeitos agudos de esteróides anabólico-androgênicos sobre o cérebro são substancialmente diferentes dos de outras drogas. A diferença mais importante é que os esteróides anabólico-androgênicos não causam euforia. Isto quer dizer que não resultam em aumentos rápidos do neurotransmissor dopamina, que causa a “euforia” que costuma impulsionar os comportamentos que levam ao abuso de drogas. No entanto, o uso a longo prazo de esteróides anabólico-androgênicos podem, com o tempo, impactar algumas das mesmas vias e substâncias químicas do cérebro que foram afetadas por outras drogas de abuso, como são os sistemas de dopamina, serotonina e opióides. Levando em conta o efeito combinado de suas ações complexas, diretas e indiretas, não é surpreendente que possam afetar o humor e o comportamento de forma significativa.

Os esteróides anabólico-androgênicos e a saúde mental
Os relatórios pré-clínicos, clínicos e anedóticos sugerem que os esteróides podem contribuir para a disfunção psiquiátrica. As pesquisas mostram que o abuso de esteróides anabólico-androgênicos pode levar à agressão e a outros efeitos adversos.Por exemplo, embora muitos usuários relatam sentir-se bem consigo mesmos quando tomam esteróides anabólico-androgênicos podem ter mudanças bruscas de humor, incluindo sintomas tipo maníacos que podem levar à violência.Os pesquisadores também observaram que os usuários podem sofrer de ciúme paranóicos, irritabilidade extrema, delírios e alterações no juízo, como resultado de se sentir invencíveis.

Potencial para o vício
Os estudos em animais demonstraram que os esteróides anabólico-androgênicos podem ter um efeito activador, é dizer que, dada a oportunidade de fazê-lo, os animais se auto-administram os esteróides anabólico-androgênicos, como o fazem com outras drogas que causam dependência.Esta propriedade é mais difícil de demonstrar em seres humanos, mas o potencial que as pessoas que abusam de esteróides anabólico-androgênicos se tornem viciadas é consistente com o abuso continuado que demonstram que, apesar dos problemas físicos e os efeitos negativos que sofrem suas relações sociais. De igual maneira, os que abusam de esteróides anabólico-androgênicos também gastam muito tempo e dinheiro para obter estas drogas, o que constitui outra indicação de vício. As pessoas que abusam de esteróides anabólico-androgênicos podem sentir os sintomas da síndrome de abstinência ao parar de tomá-los, entre eles, alterações de humor, fadiga, inquietude, perda de apetite, insônia, libido reduzida e desejos veementes por esteróides. Isso pode contribuir para que se continue o abuso. Um dos sintomas da síndrome de abstinência mais perigoso é a depressão, já que quando persistir, pode levar a tentativas de suicídio.

As investigações também mostram que certos usuários podem recorrer a outras drogas para aliviar alguns dos efeitos negativos dos esteróides anabólico-androgênicos. Por exemplo, um estudo de 227 homens admitidos em 1999, um centro privado de tratamento para a dependência à heroína e outros opióides, encontrou que o 9.3 por cento deles havia abusado de esteróides anabólico-androgênicos, antes de ter provado qualquer outra droga ilícita. Este 9.3 por cento, 86 por cento usou opióides pela primeira vez para combater a insônia e a irritabilidade resultante de esteróides anabolizantes.

O que outros efeitos adversos à saúde têm os esteróides anabólico-androgênicos?

O abuso de esteróides anabólico-androgênicos podem levar a problemas graves e até mesmo irreversíveis à saúde; entre eles, os mais perigosos são os danos ao fígado, icterícia (pigmentação amarelada da pele, dos tecidos e fluidos corporais), retenção de líquidos, alta pressão arterial, aumento do LDL (o “mau” colesterol) e a diminuição do HDL (o colesterol “bom”). Outros efeitos relatados incluem insuficiência renal, casos severos de acne e tremor. Além disso, existem alguns efeitos colaterais específicos de acordo com o sexo ou a idade do usuário:

  • Nos homens: encolhimento dos testículos, contagem baixa de espermatozóides, infertilidade, calvície, desenvolvimento de mamas e aumento do risco de câncer de próstata.
  • Nas mulheres: crescimento de pêlos faciais, calvície de padrão masculino, alterações ou cessação do ciclo menstrual, aumento do tamanho do clitóris e engrossamento da voz.
  • Em adolescentes: cessação precoce do crescimento maturidade esquelética prematura e mudanças aceleradas na puberdade; risco de ter baixa estatura o resto de suas vidas se tomam esteróides anabólico-androgênicos, antes de passar pelo período de “estiramento” típico da adolescência.

Além disso, as pessoas que se injetam de esteróides anabólico-androgênicos correm o adicional de risco de contrair ou transmitir o HIV/AIDS / sida ou a hepatite, doença que causa danos graves ao fígado.

Quais as opções de tratamento existem?

Tem havido muito poucas pesquisas sobre o tratamento para o abuso de esteróides anabólico-androgênicos. O conhecimento atual provém, em grande medida, das experiências de um número reduzido de médicos que trabalharam com pacientes que passam por síndrome de abstinência de esteróides. Eles aprenderam que, em geral, em alguns casos, é suficiente realizar uma terapia de apoio, ao mesmo tempo que instruem os pacientes sobre os possíveis sintomas de abstinência. Em algumas ocasiões são usados medicamentos para restabelecer o equilíbrio do sistema hormonal quando este tiver sido interrompido por abuso de esteróides. Se os sintomas são graves ou prolongados, podem precisar de medicamentos sintomáticos ou hospitalização